Restaurante Romântico em BH: Arte e Gastronomia no Teu Caso

Restaurante Romântico em BH

Minha última indicação de lugar romântico por aqui foi em São Paulo, estão lembrados do Amigo do Rei? Pois hoje trago para vocês um restaurante romântico em BH! Quem me segue no Instagram (aliás, quem ainda não segue pode começar a seguir!) deve ter acompanhado minha ida ao Teu Caso há três semanas. Quem quiser relembrar, basta dar um pulinho nos meus stories, o Teu Caso está em destaque. Lá é um restaurante, mas ao mesmo tempo é também uma galeria de Arte Contemporânea. Pensem vocês! Eles são um lugar romântico que alia duas das minhas paixões: a arte e a gastronomia.

Conhecendo o mais novo Restaurante Romântico de BH

Vocês certamente já devem ter reparado que aqui no blog sempre falo de lugarzinhos pelos quais me apaixono. Pois foi exatamente isso o que aconteceu com o Teu Caso. Apaixonei-me pela sua proposta, pelo lugar. E mais do que isso, apaixonei-me sobretudo pelo modo como fui recebida pelo Mateus (Gontijo), pelo Wagner (Nardy) e pelo Chef Cassiano (Vieira).

Cassiano, Mateus e Wagner

E o que dizer do resto do staff? Senti-me acolhida como se estivesse na casa de amigos! O Teu Caso é mais do que um restaurante romântico em BH. Eles conseguiram, através do diálogo com a arte, criar um ambiente que inspira o amor e a comensalidade. Ficamos felizes ali. E vamos combinar: felicidade é inegavelmente um atributo indispensável a um lugarzinho romântico, concordam?

O Teu Caso

Primeiramente, vamos entender qual é a ideia deste novo restaurante romântico de BH. Imaginem uma casa de 100 anos. Depois, pensem em um local com Arte Contemporânea por toda parte. De um lado, um lugar que nos ofereça cantinhos especiais para se estar junto de quem se ama. Por outro lado, um lugar que também tenha espaços amplos para se beber vinho e comemorar a vida entre amigos. Pensem ainda num lugar que conte com uma cozinha com comidinhas que te abraçam e um banheiro cor de “banheiro de vó”. Pensem agora em você e o seu bem-querer tomando uma espumante geladinha para aplacar o calor. Ou então, tomando um vinho tinto para aquecer o coração. Conseguiram visualizar? Pois sim: Essa é a alma do Teu Caso.

Assim que cheguei, fiquei do outro lado da rua observando aquela casa antiga, de esquina, com um letreiro aceso escrito Teu Caso. Naquele momento entendi um dos pontos chave de lá: o contraste do antigo com o moderno. Logo depois atravessei a rua e olhei para a casa que se estendia até a rua Aimorés. Em seguida, encontrei a portinha de entrada, coloquei meus pés lá dentro e fui invadida pela sensação de: Yes! Eu sabia! Vou amar esse lugar!

Foto de divulgação Teu Caso

Primeiras impressões

Além de ter 100 anos a casa onde o Teu Caso se estabeleceu é tombada por dentro e por fora pelo patrimônio histórico da cidade. Mas, afinal de contas, o que isso significa? Bem, quando um imóvel é tombado por dentro e por fora, as suas características originais internas e externas não podem ser mudadas. Portanto, nada de jogar paredes no chão ou fazer qualquer tipo de alteração estrutural.

A princípio isso poderia ser um problema para um restaurante. É que normalmente temos a concepção de grandes salões com mesas de fora a fora em estabelecimentos assim. No entanto, aqui mesmo em BH temos alguns restaurantes que criaram ambientes dentro de casas nessas mesmas condições. Com o Teu Caso não foi diferente. Porém, apesar de a solução ser a mesma, a forma como eles o fizeram é sem sombra de duvida única. Conforme constatei passeando lá dentro, cada cômodo daquele lugar tornou-se um ambiente exclusivo que suscita sentimentos diferentes e provoca os nossos sentidos.

Mas como assim, Nicole? Provocar os sentidos? Pois é, gente: A arte tem dessas coisas, ela nos faz sentir. E sentir qualquer coisa. Sentir amor, paz, pertencimento. Mas também, ela pode nos fazer sentir incômodo, vertigem, medo. A partir do momento em que nos colocamos em contato com uma obra e ela nos remete a algum tipo de sentimento, então a arte cumpriu parte do seu papel.

Detalhe da obra do artista C.L. Salvaro

A recepção

Fui recepcionada pelo Mateus, que então apresentou-me ao Wagner que convidou-me para fazer um tour pelo restaurante. Por ser ainda cedo, a casa não estava muito cheia. Pudemos, portanto, passear sem incomodar ninguém.

Antes de continuar, preciso dizer: Eu pensei em mil maneiras de contar a vocês como foi a minha experiência no Teu Caso. No entanto, depois de ponderar, resolvi fazer com vocês, através do meu texto, o passeio que fiz pela casa tendo Wagner como guia. É provável que vocês estranhem a narrativa, uma vez que textos de blogs costumam ter outro ritmo. No entanto só posso dizer a vocês que vai valer a pena seguir até o final.

O Tour

Começamos pela varanda, o primeiro ambiente de mesas do restaurante. Wagner chamou minha atenção para o piso original da casa: um ladrilho hidráulico belíssimo, que apesar das marcas do tempo, confere charme ao local.

Ele ainda frisou que além do ladrilho, outro detalhe original da casa que eu veria por ali seriam as luminárias, pois muitas delas foram reaproveitadas.

Na entrada, ao lado do cardápio do dia em neon, está exposto um painel de tecido das Tecelãs de BrumalArtesanato genuíno e da melhor qualidade feito especialmente para o restaurante! Brumal é uma cidadezinha que fica a pouco menos de 100km de BH, no meio do caminho para o Santuário do Caraça. Guardem bem esse nome, porque voltaremos à essa cidade quando falarmos sobre a gastronomia do Teu Caso e também sobre o chef Cassiano.

Tecelãs de Brumal

Ainda na varanda, ao lado das mesas, pendurados em cabides, estão os bordados do artista Rodrigo Mogiz. O conjunto de obras chama-se “Enquanto Desenho em sua Superfície”.

Rodrigo Mogiz

Lá no fundo há uma portinha que dá para o bar do restaurante. Ali nos deparamos com um aparador de época com motivos orientais. Como eu sou a louca das coisas antigas e estilosas, simplesmente amei esse móvel!

Explorando os cômodos da casa

Assim que entramos na casa damos de frente para a projeção de um vídeo na parede acima da porta de entrada de um dos ambientes. Trata-se da Videoarte “Sem Chama não há Vela” de Amanda Capaccioli. Além dessa projeção, o visitante poderá também assistir ao vídeo “Oceano Possível” da artista hispano-brasileira Sara Ramo no salão principal da casa. Wagner me explicou que a intenção dele como curador das obras expostas na casa é trazer as várias possibilidades de linguagens que a arte tem a oferecer. Com isso, ele nos presenteia com todos os tipos de obras: do artesanato à fotografia, passando pela escultura, pintura, videoarte e literatura.

Wagner me conta também que os seus critérios para a escolha dos artistas e das obras de arte da casa são elevados. Porém, isso de forma alguma significa que ele privilegie somente artistas, digamos assim, muito conhecidos. A sua ideia é levar para o Teu Caso artistas jovens, talentosos e em ascensão. Além, disso, como vimos com as tecelãs de Brumal, ele busca também trazer para a casa a riqueza do trabalho manual, valorizando assim o artesanato local.

Detalhe da obra de Maurício Matta

Seguindo adiante, à nossa esquerda encontramos um ambiente claro com uma mesa encostada na janela que dá para a frente da casa. Nas paredes, obras da artista Alessandra Cioletti. Este ambiente é bem intimista. A mesa comporta somente 6 pessoas.

A próxima sala já é totalmente diferente da primeira. Aqui as paredes são de um vermelho bem vivo. Destaque especial para a bela estante em madeira embutida na parede onde estão armazenadas garrafas de vinho e peças decorativas.

No ambiente, obras de quatro artistas: Advânio Lessa, Lucas Dupin, Beatriz Milhazes e Glauco Moraes.

Glauco Moraes

O Salão Principal

O próximo ambiente da casa é o salão principal. Em um canto está a recepção. Logo atrás dela uma peça de crochê feita por Daniel Albuquerque. Contudo, o que de fato nos chama atenção quando colocamos os pés ali é o neon “amoroso” do artista Avaf Eli Sudbrack, que dá o tom de toda a decoração do espaço.

O ambiente a meia luz com lindíssimos lustres pendentes com luz direcionada compõem o clima junto à TV instalada em um dos cantos com a videoarte da Sara Ramo.

Seguindo adiante, à esquerda entramos por uma porta e lá está um novo ambiente completamente diferente. Trata-se de uma salinha com quatro mesas de dois lugares. O lugar, ao contrário do salão principal, é bem iluminado, e as paredes brancas ganharam desenhos e textos da artista Juliana Gontijo. Foi lá que escolhi passar a noite durante o jantar.

Juliana Gontijo

Agora, aqui, redigindo esse texto, fico querendo listar os porquês de minha escolha. No entanto, a coisa não tem mistério: a razão é que simplesmente me encantei pelo trabalho da artista. Ela desenhou um caminho, um mapa, um trajeto ao longo de toda a parede junto de pequenos versos. Fui particularmente tocada por aquele percurso que fez muito sentido para mim.

Juliana Gontijo

O corredor

Assim que entramos no corredor, nos deparamos com a obra do artista paranaense C.L. Salvaro no teto. Wagner me disse que essa é uma das obras que mais chamam atenção na casa. E de fato, quando chegamos na entrada do corredor,a primeira visão que temos é aquela instalação rosada e enorme no teto, aparentemente disforme.

Começamos a caminhar, sempre olhando para cima, e aquela massa rosada presa ao teto começa a se apresentar em formatos diferentes. Quando nos afastamos e passamos a contemplar a obra lateralmente, começamos a entender melhor seus detalhes. Essa é sem dúvida alguma uma peça fascinante!

C.L. Salvaro

O tour está chegando ao final…

E ai? O que estão achando deste tour pelo Teu Caso? Vocês estão conseguindo afinal sentir o que eu estava sentindo enquanto passava por entre as salas com o Wagner? Temos ou não temos mais um restaurante romântico em BH para chamar de nosso? Aguentem firme ai! Falta pouco para falarmos do cardápio! É que ainda temos dois ambientes para conhecer: uma salinha mais íntima e outro cantinho maravilhoso para namorar!

No corredor há seis portas. Uma delas nos leva a um ambiente privativo de paredes claras com uma mesa redonda. Chama atenção ali um dos quadros mais importantes do acervo do Teu Caso: O Navegador, do artista paraibano Antônio Dias.

Antônio Dias

Não sei se ao longo das fotos vocês repararam nas mesas. Tem um detalhe nelas que é bem interessante. Assim como tudo no Teu Caso traz o contraste entre o antigo e o moderno, a simplicidade e a complexidade, a mesa posta deles segue também essa tônica. Taças são dispostas à mesa ao lado de copos lagoinha e os guardanapos são colocados dentro de canecas típicas do interior de Minas.

Apesar de a arte fazer parte de um repertório estético mais voltado para galerias, esses toques caseiros fazem com que a gente se sinta à vontade. E mais do que isso: nos dão a possibilidade de interagir com obras de arte em um ambiente completamente diferente daqueles em que normalmente elas estão. A meu ver, isso amplia a nossa sensibilidade e percepção. Mais um bônus da experiência que o restaurante nos oferece.

Cantinho para namorar…

O outro cômodo é de longe o meu lugar preferido na casa. Lá é um quartinho pequenininho, inesperadamente aconchegante, de cores vibrantes onde funciona uma pequena biblioteca. Logo na entrada damos de cara com uma motocicleta de cestaria feita por artesão de Bali.

Arte Popular Balinesa

Acima dessa motocicleta está a pequena biblioteca. Ali há vários títulos ligados à arte, arquitetura e literatura em geral. Porém, o que mais gostei desse acervo é que a maioria dos livros expostos ali são, assim como a casa, vintage. Isso deu um um charme bem especial para as prateleiras.

Alguns exemplares da enciclopédia Barsa estão lado a lado com obras de Jorge Amado em encadernação antiga. Os livros podem ser retirados da prateleira. Podemos, por exemplo, folheá-los ou mesmo lê-los. Nesse ambiente foram também colocados dois banquinhos de madeira debaixo da janela e uma poltrona encostada na paredeEstão lembrados que eu disse que esse era o cantinho ideal para namorar? Pois é! Vocês podem tomar um drink ali, sentados juntinhos na poltrona.

Nessa salinha vocês verão ainda um quadro com uma foto grande de um orquidário de Pedro Motta e a adorável reprodução de um morro no Rio de Janeiro de Maurício Matta. Reparem na riqueza de detalhes desse morro e nas frases que o artista escreveu ao longo dos labirintos retratados por ele. Encantador!

As Galerias 

O terceiro cômodo no corredor é o banheiro lindíssimo cor de casa de vó! ( Eu juro, gente! Tanto meus avós maternos quanto paternos tiveram banheiros exatamente nesse tom de verde! Memória afetiva, a gente vê por aqui!)

No fundo do corredor está a porta do escritório. Depois, do outro lado do corredor, estão duas portas fechadas. Wagner me explica que elas são duas galerias onde eles farão exposições de Arte Contemporânea. Essas mostras serão temporárias e trarão artistas importantes da cena atual. Inclusive, a primeira delas vai inaugurar agora no dia 24 de novembro. Trata-se da exposição Cacos, do artista Rodrigo Arruda. A curadoria e os textos são assinados pelo Wagner.

Comida Casual, Cozinha Autoral

Agora que mostrei para vocês como é o a casa por dentro, vamos falar de algo que todos nós amamos: a comida. Primeiramente quero chamar atenção de vocês para um detalhe: Como descrevi no relato da visita, estamos em uma casa de 100 anos, sendo bombardeados por arte contemporânea.

As visões de mundo dos artistas contrastam o tempo inteiro com a simplicidade da vida cotidiana, como no exemplo que dei da mesa posta. Portanto, tenham isso em mente quando forem ler o cardápio da casa. É provável que se vocês forem observadores como eu, verão que o restaurante nos oferece uma gastronomia que segue as mesmas sutilezas das obras de arte da casa. Ela tem certo rebuscamento, o que inegavelmente nos encanta. Mas no final das contas ela traz um gostinho descomplicado que, acima de qualquer coisa, pretende simplesmente nos abraçar. O lema gastronômico do Teu Caso é “Comida Casual e Cozinha autoral” e isso resume tudo.

O Chef

O Chef Cassiano é um expert em cozinha afetiva. É que as referências gastronômicas dele, embora tenham sofisticação, deixam claras e transparentes as suas raízes mineirinhas. O Teu Caso não é o seu primeiro desafio. O chef possui ainda um restaurante chamado Villa Brumal na pequena cidadezinha a caminho do Caraça sobre a qual falei antes.

Passei boa parte do tempo sentada, saboreando um vinhozinho rosé (R$13,00 a taça) na companhia do Chef. Batemos muito papo e ele me contou também sobre a sua experiência como dono de um buffet. É aquela história: a cozinha, por mais que se viaje e se estude, não tem muito glamour não. O que existe nas veias de cozinheiros bem sucedidos é muito trabalho e competência mesmo! Isso o chef Cassiano tem de sobra.

A carta de vinhos

Restaurante romântico que se preze precisa ter um bom vinho, não é verdade? Portanto, antes de pedir o rosé que eu tomei a noite toda, passei os olhos na carta do Teu Caso. Como já disse mil vezes por aqui, não sou nenhuma especialista em vinhos. Mas sei do que gosto de beber. Achei a carta deles interessante tanto com relação a preço quanto com relação às variedades. Entre os Chilenos e Argentinos havia alguns rótulos já conhecidos como o La Linda (R$94,00 a garrafa) e o Las Moras Reserve (R$97,00 a garrafa). No entanto, chamou-me atenção encontrar por ali um rótulo californiano. Trata-se de um Ménage à Trois Red Bled (Zinfandel, Merlot e Cabernet – R$139,00 a garrafa). Há ainda opções de tintos portugueses, franceses e italianos.

Entre as espumantes o Brasil está presente com a vinícola Garibaldi. Pode-se escolher entre a Vero Brut ou a Vero Brut Rosè, ambas R$48,00 a garrafa. Porém, para quem quiser investir um pouco mais, eles tem um Gran Couvè italiano La Pieve por R$104,00. Entre brancos e rosés a adega transita entre a Itália (atenção para um Pinot Grigio Torre Galasso por R$72,00), França, Chile, Espanha e Portugal.

Meu jantar naquela noite

Fiquei satisfeita com as taças de vinho rosé aquela noite. Eu não estava muito disposta a uma garrafa inteira, apesar do calor. Comecei então a ler o cardápio, que são folhas cor-de-rosa presas a uma prancheta. Na primeira delas, um pouco da história da casa. Atenção para o rodapé: lá está escrita a senha do wi-fi além é claro, de todas as formas de entrar em contato com eles. Em seguida, nas próximas páginas estão as sugestões de entradas, pratos principais, bebidas e sobremesas.

Visto que eu estava perdida no meio de tanta coisa gostosa, perguntei ao chef o que ele me sugeria para entrada. Eu não sabia se queria as croquetas de serro com geleia de pimenta (R$22,00), a degustação de queijos com mel orgânico (R$28,00), o lombinho empanado com maionese de limão siciliano (R$27,00) ou, aquela que acabou sendo a minha escolha da noite: fish and chips com molho tártaro de pimenta biquinho (R$28,00). Sim, foi o molho tártaro que me ganhou! Esse molho foi inesperadamente uma das coisas mais deliciosas que provei aquela noite, e olha que o jantar foi nota 10!

O prato principal

Novamente peguei o cardápio e assim como com as entradas, me derreti inteira diante das opções para o jantar. Fiquei ali doidinha para experimentar um pouquinho de cada um dos pratos do cardápio. Mas, visto que a entradinha tinha sido muito bem servida, preferi ficar um pouco mais espartana no prato principal. No entanto, confesso: tenho vários motivos gastronômicos para voltar ao Teu Caso! Minha escolha da noite foi um Papardelle ai Funghi e Amêndoas (R$37,00). Massa fresquinha, feita na casa. Molho de funghi com lâminas de amêndoas salpicadas! Nossa! Que escândalo!

E gente, reparem só numa coisa: a comida não é somente gostosa. Assim como o sabor, a sua apresentação é também maravilhosa. Reparem bem nas louças! A cor do prato e sua pintura rajada ajudam a deixar a comida ainda mais bonita.

Agora, vocês querem, afinal, saber quais são os meus grandes motivos para voltar? Sintam o drama: Costelas de cordeiro com hortelã pimenta e batatas rústicas (R$57,00), Salmão com crosta de côco e arroz de coentro (ou salsinha – R$42,00). Fiquei também com água na boca para experimentar o Spaghetti com feijão, molho de tomate, costelinha desfiada e calabresa (R$34,00). E digo mais: só não escolhi este último porque realmente a fome não era mais tanta. No entanto, massa com feijão é memória afetiva de quem cresceu em família italiana! Sendo assim, meninos, me aguardem!

O melhor pudim do mundo

Falei para o chef Cassiano que não sou assim muito fã de sobremesas. É que gosto mesmo de cozinhar e comer comidas de sal. No entanto, nem ele e nem o Wagner permitiram que eu fosse embora sem antes experimentar aquele que eles colocam no cardápio como sendo o “Melhor Pudim do Mundo” (R$12,00). Aceitei de bom grado a sobremesa diante da propaganda que me foi feita. Entretanto, confesso que bateu um certo medinho. É que quando temos muita expectativa nas coisas, no geral, a gente aumenta o risco de desilusões.

Pois bem… o pudim chegou. Olhei para ele. Senti aquele cheirinho gostoso de calda e leite condensado. Calmamente derrubei a calda nele e dei a primeira colherada. Pessoal… não tenho palavras para descrever aquele pudim. O cardápio de fato traz a definição correta dele: O melhor pudim do mundo! E olha que eu nem gosto muito assim de doces! Fiquei com vontade de comer mais. Chef Cassiano operou um milagre me fazendo comer sobremesa com gosto aquele dia!

Open Wine e Almoço

Às terças e quartas o Teu Caso tem um motivo a mais para os casais apaixonados irem visitá-los. É que eles fazem o Open Wine por R$44,90. Fora isso, aos sábados eles estão abertos para o almoço. Cada sábado eles trazem um prato do dia com a cara de Minas Gerais, além do cardápio à la carte. Só para vocês terem uma ideia daquilo que já desfilou pelas mesas do Teu Caso nos últimos sábados, lá vai: Galinhada do Chef, Costelinha com ora-pro-nobis e polenta com queijo do serro, e neste último sábado teve parmigiana com batatas chips, arroz branco e saladinha de agrião. Preciso dizer mais alguma coisa? Delícia, né!

Foto de divulgação Teu Caso – Ilustração Nanne Prieler

Fechando a experiência com chave de ouro

Terminei aquela noite com o coração leve, corpo e alma bem alimentados, mais de 200 fotos tiradas naquele lugar inspirador e a certeza de que eu havia de fato encontrado ali mais um restaurante romântico em BH para morar no meu coração. Eu já estava me preparando para ir embora feliz da vida, certa de que mais nada naquela noite poderia me causar mais alegria do que tudo o que eu já havia vivido ali. No entanto, eu estava errada. Wagner entrou na salinha onde eu estava e disse que o Teu Caso tinha um presente para mim e me entregou um livro.

Gente, vocês conseguem calcular isso? Depois de uma noite maravilhosa, regada a arte, vinho, comidas deliciosas e conversas acolhedoras, eu ainda sairia de lá carregando comigo um livro de poesias. Foi muito carinho para uma noite só!  Esse livro foi escrito por Marden Assis, poeta que nasceu em Barão de Cocais. Abri o livro e comecei a folheá-lo. Ele é lindo graficamente e interessante na temática: um livro de poesias de um poeta que procura a poesia através dela própria.

Juliana Gontijo

Finalizo esse relato convidando vocês que me leem a conhecerem a experiência do Teu Caso. Eles são mais um restaurante romântico em BH para figurar no roteiro de casais apaixonados? Sim! Mas eles são mais do que isso. Eles são também arte que provoca, comida que abraça, ambientes que acolhem e fazem brotar sorrisos até mesmo nos corações mais relutantes. O Teu Caso com certeza se já não faz ainda fará parte de muitos casos de amor por ai. Apareçam por lá e me contem depois se vocês conseguiram resistir aos encantos deste lugar!

Serviço

Endereço: R. Espírito Santo 1502, Belo Horizonte – MG

Funcionamento: de terça a sexta a partir das 18h – Sábado das 12h às 23:30h – Domingos e Segundas não abre.

Telefone para reservas: (31) 3656 1749

About Nicole Delucca Linhares

Uma jornalista obcecada pelo lado bom da vida que está sempre em busca de experiências românticas para dividir com o mundo. Apaixonada por comidinhas, pores-do-sol, plantas, livros, cinema, viagens e teatro. É também professora de italiano, cozinheira para todas as horas, filosofa de boteco e, por fim, uma mistura doida de Minas, Itália e Piauí!

4 comments on “Restaurante Romântico em BH: Arte e Gastronomia no Teu Caso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *