Gennaro: Um Restaurante Romântico para todos os Bolsos

Em 2016 um amigo me chamou para jantar e disse assim: “Nicole, você está sabendo do restaurante que acabou de abrir ali na Alagoas? Parece que o nome dele é Gennaro. Quer ir lá comigo no sábado?” Pois é. Foi assim que conheci a minha indicação de hoje, em um jantar descompromissado com um amigo. A noite foi regada a comida e vinhos honestos. A primeira impressão foi boa. O ambiente encantador aliado à proposta relativamente agressiva de preços tanto dos pratos quanto dos vinhos chamou a atenção.

A demora para falar dele no blog

Ai vocês me perguntam: Mas por que demorar tanto assim para trazer a dica para o blog? Pois é, pessoal. Eu às vezes demoro mesmo. Não costumo acreditar nas primeiras impressões. Gosto muito de repetir a dose. Gosto também de ouvir outras pessoas. Não só especialistas e críticos sérios do mundo gastronômico. Gosto muito de ouvir aqueles que de fato pagam a conta, sabe? Clientes comuns que gostam de vez em quando sair de casa para curtir uma boa refeição.

Muitas pessoas dirão que esse público não tem condições de fazer críticas aos estabelecimentos. Eu de fato até concordo que por vezes os assim chamados “leigos gastronômicos” exageram na dose. Eles fazem publicamente críticas muito mordazes e até mesmo injustas aos estabelecimentos. No entanto, apesar disso, é esse o público que no geral mantém os restaurantes de portas abertas, não é mesmo? Portanto, a meu ver é positivo conhecer as percepções que “gente como a gente” tem dos lugares. Foi essa a razão da minha demora na postagem.

Da primeira vez que estive lá para cá, fui ao restaurante muitas vezes. Sempre em situações diferentes, acompanhada por pessoas diferentes. Não obstante algumas críticas negativas que vi em grupos do facebook a respeito de atendimento e qualidade da comida, em todas as vezes que estive lá saí satisfeita com a experiência. Talvez os amigos insatisfeitos tenham sido muito azarados. Ou talvez também estivessem com uma expectativa além da conta. Vai saber?

O Gennaro

Eu sou uma pessoa pé no chão. Embora eu não tenha um amor extremo pela matemática, consigo imaginar por alto o custo de manutenção de um restaurante. Já fui empresária. Não desse ramo, mas já fui. Sei como funciona o processo de precificação das coisas e sei também que no Brasil pagamos muitos impostos quando resolvemos abrir uma portinha. Isso sem falar que no caso do ramo da alimentação, existem também autorizações a serem tiradas para que o negócio funcione dentro da legislação vigente.

Levando isso em conta, vocês podem imaginar como me surpreendeu um restaurante localizado na rua Alagoas, pertinho da Praça da Liberdade (pontasso!) com um ambiente charmoso, pratos italianos que ok, não são de raiz, mas são saborosos, custando entre R$25,00 e R$40,00. Isso sem falar nos vinhos que são comercializados a preços relativamente honestos: entre R$40,00 e R$90,00. O primeiro pensamento foi que BH acabava de ganhar um achado no quesito relação de custo-benefício.

No início do blog muita gente me pedia dicas de restaurantes. Depois, a situação econômica brasileira mudou e as pessoas passaram a sair menos para lugares muito caros (muitas vezes considerados os mais românticos). Foi assim que vi BH mudar a cena gastronômica. Os “butecos” ganharam uma aura mais gourmet. Eles se transformaram em “gastropubs” e passaram a fazer parte da vida de gente comum também na hora de saidinhas à dois. Diante disso, quando vejo a proposta do Gennaro, que não é ser um barzinho gourmet, mas sim um restaurante, afirmo que não temos muitos como esse por ai.

A experiência X expectativa

Sempre quando vou conhecer algum restaurante, mesmo que eu escute as pessoas falarem a respeito dele, eu tento não criar expectativas. Pode até parecer que isso seja uma estratégia para evitar frustrações. Mas na realidade é uma característica minha mesmo. Eu costumo sair de casa com a mente bem aberta a todo tipo de experiência gastronômica.

Quando cheguei ao Gennaro adorei o ambiente. As mesas na calçada são charmosas e o salão interno é muito bem decorado. Embora eu já tenha ouvido reclamações acerca do atendimento, sempre fui bem atendida e achei os garçons muito preparados para explicar o cardápio. Lembro-me de ter brincado com eles sobre a receita da Carbonara que eles servem lá, que não é a original (o que desgosta muita gente. Minha dica aqui é: não peçam a Carbonara e ficará tudo certo!). A resposta deles para mim foi muito boa: “ahhh mas a gente não tem compromisso com a tradição. Adaptamos a cozinha italiana ao gosto local. Se fossemos pensar como italianos jamais serviríamos massas acompanhadas por carnes”.

Quem conhece de gastronomia italiana e sabe o ritmo das refeições, que começam no antepasto, passam pelos primeiro e segundo pratos com contorno e depois culminam na sobremesa, na fruta e no café entende que a massa é sempre servida antes da carne, nunca juntas. O vinho é um capítulo à parte. Eles não nos apresentam uma carta. Eles simplesmente nos encaminham para a adega para que possamos escolher o vinho que melhor nos apetece.

O cardápio

Quando a casa está lotada pode ser que o atendimento demore um pouco mais. Mas não é nada que realmente faça com que a gente desista do local. Situações assim podem acontecer em qualquer estabelecimento, não são um privilégio do Gennaro. Com relação à qualidade dos pratos, a minha única ressalva é realmente a Carbonara: acho terrível quando a preparam com creme de leite. No entanto, diante de minhas experiências junto a outras pessoas, talvez menos preciosistas com relação ao prato, juro para vocês: tem gente que gosta.

Na minha última ida ao restaurante comi um risoto muito saboroso com pedacinhos de filé, bacon, funghi e parmesão (R$30,00). As entradas também são muito boas. Na minha última ida lá não fui de entrada, mas quem estava comigo foi. As bruschetas (R$23,00) estavam muito bonitas. A Burrata também é uma excelente opção (R$29,90).

Uma das pessoas que estavam comigo pediu uma lasanha de presunto (R$25,00) que estava muito gostosa.

Outro outro conviva foi de Penne con ragù piccante (R$25,00), farto e saboroso também. O vinho na faixa dos R$40,00 nos atendeu a contento.

Conclusões

O que concluo, então, de todas as minhas idas ao Gennaro? Dentro daquilo que o restaurante se propõe a entregar, do preço que pratica, ele cumpre com o prometido. Quando queremos uma culinária italiana de raiz, existem outras casas excelentes aqui em BH. Obviamente elas cobram o preço que essa experiência vale, inclusive considerando a importação de um ou outro ingrediente.

Com relação aos vinhos digo o mesmo. No geral os rótulos que compramos a R$40,00 nas importadoras são vendidos a quase R$100,00 nos restaurantes (que precisam lucrar, né?). Os vinhos de R$40,00 do Gennaro não estão muito distantes dos preços que encontraríamos neles nas importadoras. Esse Terras D’el Rei alentejano que custou R$40,00, costuma sair a R$30,00 quando o compramos pela internet. Se somarmos a esses R$30,00 o valor do frete ficamos quase elas por elas. Talvez isso seja fruto da facilidade dos donos do estabelecimento para trazerem esses rótulos à casa. Eles também são donos do AA Wine Experience, no bairro Lourdes.

Sendo assim, para fechar a indicação de hoje, acredito que o restaurante Gennaro seja uma excelente opção para casais que querem ir a um lugar charmoso, na zona sul de BH para comer uma comidinha gostosa e beber um vinho honesto. Sem brilhantismos, mas sem decepcionar, o Gennaro com toda certeza entrou para o meu hall dos Lugares Românticos que já fui.

Serviço:

Endereço: Rua Alagoas, 642 – Savassi – BH

Funcionamento: Segunda a Quinta: 18h à 0h / Sexta: 18h à 1h/ Sábado: 12h à 1h / ​Domingo: 12h às 18h

Contato: 31- 3261-1361

Até a próxima!

Clique aqui para ler mais dicas de Lugares que eu Recomendo!

About Nicole Delucca Linhares

Uma jornalista obcecada pelo lado bom da vida que está sempre em busca de experiências românticas para dividir com o mundo. Apaixonada por comidinhas, pores-do-sol, plantas, livros, cinema, viagens e teatro. É também professora de italiano, cozinheira para todas as horas, filosofa de boteco e, por fim, uma mistura doida de Minas, Itália e Piauí!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *